É bom, mas é caro.

Um lugar charmoso e com várias possibilidades interessantes é o Garcia & Rodrigues. Gosto dos produtos que oferecem e, em especial, de sua apresentação. O que eu não gosto é dos preços, que para algumas questões, ultrapassa os limites do bom senso. Tipo o que? Meio misto de queijo e tomate por R$ 12. R$ 6 por um café com leite e 12% de taxa de serviços. Entendo que eles se propõem a ser um negócio diferenciado, mas vale a pena ter coerência, quando estamos falando de produtos que não apresentam grandes diferenciais, como os que citei acima.

Eu torço pra que a direção do Garcia & Rodrigues flexibilize seus preços e continuem oferecendo produtos de qualidade. Acredito que é possível estabelecer negócios onde todos os lados tem um bom custo benefício.

Quem estiver afim de gastar um tanto, numa atitude, talvez de auto indulgência ou de simples torra de dinheiro, vá até lá. Tem um aqui no Shopping Vila Olímpia. http://www.garciaerodrigues.com.br/

Conheçam esse cara

Desde que me tornei vegetariano, sou impactado por uma série de informações relevantes sobre direito animal. Tais informações vêm afetando minha relação com o consumo e sugerindo reflexões importantes a respeito da vida. Uma série de mudanças me fazem, hoje, sentir bem em relação à consciência que se fortalece cotidianamente com minhas pequenas escolhas.

Um dos desafios dessa nova postura é a alimentação. Quase todas as refeições fora de casa exigem atenção para que você não consuma determinados ingredientes “censurados” escondidos no meio dos pratos. Quando se vai a lugares bem segmentados, como alguns restaurantes veganos, você acaba tendo que negociar muito do seu paladar e de seus critérios gastronômicos em nome da ideologia. Mesmo entendendo que o veganismo é um movimento de vanguarda e que toda vanguarda enfrenta dificuldades de adaptação, devo fortalecer a crítica de que não devemos abrir mão da boa exploração dos nossos sentidos. Afinal, fomos presenteados com terminações nervosas extraordinárias! E o sabor, no meu caso, é algo inegociável. Cortem meu pinto, mas não cortem minha língua!

Ainda bem, sempre encontramos figuras que compartilham pensamentos e acabam tornando determinados desafios ainda mais admiráveis. Tal Ronnen é um chef que descobri há pouco tempo. Um chef vegano! Tá aí um cara que faltava na gastronomia. Ele conseguiu unir o máximo da boa execução gastronômica à ética de consumo e, na minha humilde opinião, vem ajudando a elevar a comida vegana ao status de gastronomia. Sim, minha gente, eu sei que existem outros chefs veganos no mundo, mas Tal Ronnen é o cara que virou centro da minha atenção, basicamente, pela sua sensibilidade ao explorar os ingredientes de maneira criativa e por tratar a vida de forma respeitosa e oxigenada.

Se quiser conhecer o trabalho dele mais a fundo acesse www.talronnen.com