Delícias de verão, parte 1

Uma das coisas que gosto de fazer, independente da estação, é descobrir novos sabores para os velhos hábitos. O verão chegou e as bebidinhas acabam sendo muito mais bem-vindas. Pra fugir dos clássicos refrigerantes, sucos e chás, acabei “inventando” um chá bem fresco e aromático, daqueles que vêm pra arrancar comentários e animar tardes quentes de vadiagem. É fácil. Tente fazer.

Prepare o chá Celestial Seasonings de cerejas pretas e deixe esfriar. Em seguida, adicione rodelas de limão siciliano, folhas de hortelã e gelo. Deixe descansar um pouco, pra intensificar os sabores e aromas, e sirva. Simples, fácil e delicioso.

O chá mais caro do mundo

A PG Tips – uma marca inglesa dita como popular -, para celebrar seus 75 anos, encomendou da Joalheria Boodles um pequeno saco de chá feito à mão, com 280 diamantes. Um porta-voz da PG Tips disse o seguinte: “Como é o nosso 75º aniversário, quisemos fazer algo especial para lembrar as pessoas o quanto elas amam uma xícara de chá inglês.”

É simbólico, eu sei, mas não consigo ver o ato como algo realmente admirável. Essa brincadeira com bodas de diamante me parece, como dizem em inglês, a pain in the ass. Como obra de arte, é bastante questionável, começando pela identidade visual da empresa, que merecia um lifting nessa data tão representativa. Como chá, alguém vai acabar se engasgando com uma pepita ou engolindo sem perceber. Daí, não preciso nem dizer o que é que vai brilhar, além da PG Tips. Dizem as más línguas que o tal chá custa cerca de US$ 15.200. De popular, a TG Tips não mostrou nada.

O chá do momento

Sem rodeios, o Lady Grey se tornou um dos meus chás favoritos. Numa tarde de sol, no Museu da Casa Brasileira, é que o pedi pela primeira vez e, a partir daí, tive momentos super agradáveis à sua companhia. Não tão agressivo como o bom e velho chá preto nem com tantos floreios quanto os sabores de flores e frutas que encontramos por aí. Na medida.

Não sei quanto a vocês, mas sempre acabo criando associações entre meus sentidos. Para o Lady Grey, uma pintura deslumbrante de Georges Seurat. Assim como o chá nos possibilita a percepção sutil de uma série de aromas, ele nos permite entender os acordes de cor, onde as mais diversas escalas cromáticas se misturam formando tonalidades inusitadas e que se transformam à medida em que você se aproxima da obra.

Respire fundo, sinta o hálito quente do chá e abra os olhos para contemplar essa obra. Permita-se viver os pequenos prazeres mundanos que apenas nossos sentidos são capazes de proporcionar. Aliás, haveria outra forma de perceber o mundo senão por meio deles?

Diquinha gostosa

Tem dias que precisamos abrir a geladeira e encontrar algo saudável e saboroso e que quebre o protocolo dos sucos e refrigerantes.

Desde sempre minha família cultiva o costume de aproveitar o máximo dos alimentos. Nessas, minha infância acabou sendo regada por chá de casca de abacaxi, algo que sempre gostei de beber bem gelado.

Eita, combinação boa!

Essa semana, decidi fazer uma nova versão do velho chá. Fervi as cascas de abacaxi (gosto de deixar nacos da polpa do abacaxi pra melhorar o gosto) em uns dois litros de água, dois cardamomos (sem casca, gente) e um leve toque de açúcar.

O resultado foi uma bebida gostosa, refrescante e saudável. Beba gelado e, se quiser dar um toque a mais, sirva com folhas de hortelã. Vale a pena.