Hora do pavê!

Senhoras e senhores, já era hora de voltar a escrever nessa maravilhosa válvula de escape chamada Da Boca Pra Dentro. Longos dias de desaparecimento, regozijos existenciais, abusos da economia sobre a minha singela vida, decretos indecentes, revoltas, petelecos e outras coisas mais que, quiçá, um dia revelarei a vocês! Tudo isso, ouvindo Take my Breath Away…

Hoje é dia de pavê, que é pra começar e terminar bem esse regresso à boa casa das orgias gastronômicas. Me encho de chocolate e orgulho ao falar de uma das melhores sobremesas já feitas por mim e provadas pelo mais seleto público no sétimo andar de algum lugar da Vila Olímpia. O diferencial, dessa vez, se deu por uma calda extravagante de amoras e suco de tangerina. Vou ensinar pra vocês.

As amoras eram congeladas e estavam na geladeira há um certo tempo esperando por um destino digno. Cheguei em casa com meu homem, já com incumbência de construir um belo e obsceno pavê. Ele assumiu o café que banhou as clássicas bolachas Maria e as próprias camadas macias que se intercalaram entre os recheios.

Camada um, bolachas molhadas no café. Camada dois, ganache de chocolate belga coberta com lâminas de amêndoas. Camada três, bolachas molhadas no café. Camada quatro, creme estilo capuccino, feito com chocolate belga em pó (Callebaut), café, leite de soja abaunilhado, açúcar, farinha de arroz e um generoso pau de canela, pra dar o perfume e a indecência fálica devida ao creme. Camada cinco, mais bolachas molhadas no café. Camada seis, calda de amoras feita com as frutinhas batidas no liquidificador com suco de tangerinas frescas e açúcar. Vai ao fogo e deixa ferver até engrossar um tantico. Depois que esfriar, vira uma espécie de geléia brilhante e intensa, um pouco mais líquida que o normal. Camada sete, mais bolacha. Camada oito, novamente a libidinosa ganache de chocolate coberta com macadâmias e pistaches tostados.

A confecção dessa maravilha foi a mais plena manifestação de amor, dedicação e parceria. O doce que esquentou nossos corações, agora resfria na geladeira para ser saboreado com toda a pompa que um domingo salpicado de tradição e transgressão merece. Para os que insistem em perguntar o que um vegetariano ou vegano come, posso responder com alguma audácia: comemos tudo que exija um pouco mais de repertório e sensibilidade. Podem salivar e, sem pudores, tentar fazer em casa!

O melhor bolo de chocolate do mundo

Já tinha um tempo que eu ouvia comentários sobre o tal melhor bolo de chocolate do mundo. Pensei: “deve ser uma coisa de outro mundo. Não vejo a hora de provar!” Sábado, em busca de alguns acessórios pra uma amiga cross dresser que debutaria naquela noite para um fragmento da sociedade paulistana, me deparei com um quiosque do better cake, lá no shopping Paulista. Depois de brigar com minha amiga trava (ela estava ansiosa demais por causa da exposição pública daquela noite) , deixei ela e minha marida caminharem um pouco sozinhas pelo shopping e decidi me encher de chocolate e coca-cola naquele estabelecimento.

Havia uma ansiedade em torno de mim e fiquei entusiasmado quando me entregaram a bandeja com a fatia de bolo tradicional e a lata do xarope negro do capitalismo.

Oras bolas, que falácia! O bolo é gostoso, mas não tem nada demais, o que faz com que você se sinta um trocha enganado por uma “jogada de marketing” mentirosa. É impossível não sair frustrado, se tiver o mínimo repertório no universo dos chocolates e, nesse caso, não é preciso ter provado mais que uma nega maluca bem feita por sua mãe ou por alguma tia caprichosa. Primeiro lugar, pra se denominar o melhor bolo de chocolate do mundo, é necessário uma volta ao mundo com essa temática. Em segundo lugar, quanta pretensão, minha gente! É muita auto-felação.

No meu ponto de vista, é o tipo de produto que se faz em cima de uma farsa e de uma ideia malandra – no pior sentido da palavra – ao tentar tirar vantagem da curiosidade das pessoas (afinal, essa coisa dos recordes ainda mexe com a cabeça de todo mundo). Além disso, oferecem chás caríssimos que não valem os preços praticados. Em resumo, uma enganação. Se você tiver um aplicativo do dicionário Aurélio em seu celular ou tablet, é capaz de encontrar uma foto desse bolo como exemplo da palavra “falcatrua”.

Chocolataria round 2

Esse curso foi uma experiência e tanto na minha vida. Tudo bem que ele começou de maneira bem inocente, buscando um novo calmante para as mulheres loucas que me cercam, depois, o que era para ser uma bandeira de paz nessa casa, deu espaço para brigas entre as meninas pra ver quem ficaria com os últimos chocolates. Em temporadas de TPM ou de instabilidade emocional – ou as duas coisas -, chocolate é uma ótima pedida pra acalmar os ânimos e dar uma perspectiva doce ao amargo das paranóias dessa gente alterada por hormônios. O detalhe é que aqui em casa não consumimos ingredientes de origem animal, então, o desafio do chocolate se tornou um pouco maior, mas isso não impediu que sobremesas maravilhosas viessem ao mundo com toda a força.

Foram dois finais de semana de bombons, muffins, mouses, ganaches, barrinhas… Uma verdadeira overdose de chocolate. No final do segundo dia, implorávamos por salgados e eu caía de joelhos em gratidão ao novo conhecimento que invadiu minha vida. Por mais que eu brinque com essa história da TPM, no fundo, tem sua verdade. Não existe pessoa que não amanse seus impulsos com uma sobremesa de qualidade feita com chocolate. É mágico. É quase feitiçaria.

Daquela leva de doces, restaram só as fotos e algumas invenções mal sucedidas em madrugadas de larica. Agora, estou criando cremes de castanhas para substituir a dita soja que, querendo ou não, sempre deixa seus traços dispensáveis no meio do chocolate. Recadinho da postagem: Meninas, calma, comprem a matéria-prima que o titio não vai deixar faltar chocolate nessa casa. Aos chocólatras, mais delícias para suas compulsões. Aos veganos, uma salvação!

Fritura, chocolate ou morte

Conviver em harmonia com a grande maioria das mulheres implica em aceitar pacificamente suas periódicas oscilações hormonais. Nos EUA, existe redução de pena para mulheres que cometem crimes durante a TPM. Aqui em casa, vivo a constante possibilidade de ataques frutos de nervos alterados. É por isso que não economizo gasolina atrás de chocolates e frituras, quando o assunto é abrandar os ânimos das minhas meninas. Isso é prova de que desejo e comida andam juntos. Mais do que isso, os bons sabores e um pouco de dedicação e carinho, podem fazer qualquer mulher louca se amansar e viver as delícias da vida compartilhada. Como venho de uma família de mulheres, esse desdobramento – e paciência! – se tornou algo natural e, muitas vezes, divertido.

Às mulheres da minha vida, dedico meu amor e minha admiração pela loucura, porque algumas reflexões só se tornaram possíveis em função das explosões emocionais pintadas de vermelho.

 

“¡No estoy curada!”

Pão de Açúcar fazendo feio

Dedinhos de chocolate podem ser irresistíveis em dias levemente frios. Você passa no mercado para pegar umas coisinhas e constrói a cena perfeita de um dia de preguiça. Sofá, cobertas, amiga querida, café e dedinhos de chocolate. Foi no Pão de Açúcar que encontramos os piores dedinhos de chocolate já fabricados pelo homem. Uma gororóba farelenta desprovida de sabor, digna de fazer os deuses vomitarem. Não é a primeira vez que decido comprar “delicinhas” produzidas por eles e tenho uma intragável surpresa. Outra vez, fui presenteado com uma beringela em conserva tão ácida, que dava a impressão de estar bebendo vinagre no bico da garrafa. Também teve a vez do abacate que comprei meio verde e que estragou antes de amadurecer. Dos caquis que jamais perderam o gosto amarrado de liga. Uma sucessão de pequenas tragédias que vão colocando a reputação do supermercado num carro sem freios na descida de um desfiladeiro.

Pela conveniência de ser o supermercado mais próximo da minha casa, peço que tenham mais atenção, cuidado pelos produtos oferecidos e respeito pelo dinheiro do consumidor. Mesmo me sentindo nobre nessas oportunidades de dar feedbacks e apoiar as reinvenções, também não tenho sangue de barata. Já estou na torcida pela revisão de alguns critérios.